quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Pedro Ayres Magalhães – O Ocidente Infernal / Adeus Torre de Belém (EMI-Valentim de Carvalho, 1985)



sacar

01. O Ocidente Infernal
02. Adeus Torre de Belém

Todos os instrumentos, arranjos e produção: Pedro Ayres Magalhães

Ainda há pouco tempo comentava no blog do Almirante Ramos que me falta a pachorra para o Pedro Ayres Magalhães (grande referência do Almirante e de todo o gang Amor Fúria), e que a melhor coisa que o badocha fez foi o disco do Corpo Diplomático. Agora fui ouvir este objecto, o maxi-single instrumental que ele gravou nos idos de oitenta e tal, e tenho de dar o braço a torcer. Nunca o Pedro Ayres meteu tanta distorção numa guitarra como naquele primeiro tema, O Ocidente Infernal, a menos que o tenha feito neste disco de Madredeus & a Banda Gósmica, o que me parece improvável (mas pronto, ainda não ouvi).
Sim, O Ocidente Infernal é um belo tema, e não tem grande paralelo no resto da obra do homem, que parece aqui querer tocar o que não queria ou não podia nas suas outras bandas. A referência mais óbvia será talvez o compincha Vinny Reily, que gravara pouco tempo atrás para a Fundação Atlântica do próprio Pedro Ayres e que o deve ter inspirado a gravar camadas sobre camadas de guitarras ao som de uma caixa de ritmos. No segundo lado (Adeus Torre de Belém) os pedais distorcentes já não se encontram, mas há gravações urbano-etnográficas de máquinas no Barreiro, local onde Pedro Ayres foi captar som prudentemente disfarçado de operário, sendo certa e sabida o afeição que a esquerdalha barreirense devotava aos Heróis do Mar.
É este disco, julgo eu, o canto do cisne da Fundação Atlântica, aqui já sem margem de manobra para editar o que quer que fosse, limitando-se a contra-capa a esclarecer que se trata de “uma produção da Fundação Atlântica para a EMI-Valentim de Carvalho”. De realçar, ainda na contracapa, a inclusão de uma foto de Pedro Ayres a fumar, na desaparecida tradição das contracapas com fotos de músicos a fumar, em que a mais célebre será provavelmente a de Blackground, do Duo Ouro Negro.

16 comentários:

Pedro Homero disse...

Excelente, obrigado!
Por outro lado, bem sei que a descrição do blog só fala de vinil, mas posso sugerir a inclusão do album dos Duplex Longa, esse marco numa fase mais recente da música portuguesa? Caso não o tenhas/tenham, posso mandar via mediafire.

Obrigado de novo!

Pedro Homero disse...

Enfim, tal como expliquei no comentário do outro post, ignorar o que sugeri antes :D

Pedro Homero disse...

Não querendo ser chato (já vou no 5º comentário hoje, bolas), mas aproveitando que estamos a falar do PAM, não terás por acaso os discos de Heróis do Mar (excepto o Macau), não? É que só consigo encontrar esse e as compilações, mas gostava de ter rips dos discos mesmos. Obrigado por adiantado!
(Se precisares de alguma coisa diz, pode ser que tenha!)

Almirante disse...

Caro Discos com Sono,

Ainda bem que começas a conhecer a obra completa do Pedro Ayres Magalhães. O disco de Corpo Diplomático é excelente. No entanto, o trabalho de Pedro Ayres Magalhães nos Heróis do Mar e nos Madredeus não pode ser nunca esquecido. Ouve bem o Mãe dos Heróis do Mar, disco claramente subvalorizado. E sim, o Pedro é uma grande refrência para nós. O Padre António Vieira também.
Cumprimentos.

Almirante disse...

P.S.

Obrigado pelo blogue e pela partilha.

Discos Com Sono disse...

quanto aos Heróis do Mar:
poderá aparecer aqui o Heróis do Mar IV, que parece ter sido o único não reeditado. Os outros saíram em CD, embora já estejam fora do mercado. Obrigado ao Almirante por estas informações.

Almirante, pois é, não sou grande fã de Heróis do Mar, menos ainda de Madredeus. Já do padre António Vieira gosto bastante mais, mas os discos são difíceis de encontrar :-)

Anónimo disse...

Dos melhores blogues para aí andam, este. Muito bom, palmas.

pt.m disse...

Estava a escrever e tudo abaixo.

Alguns dos discos que estão neste blog apareceram numa secção que o Nuno Galopim teve no dNmais de boa memória. PAM, AS, RJ, GNR. Parece-me que foi dessa vez que ele disse que estavam previstos outros discos do PAM. Pode ser que apareça um artigo num dos Blitz's que está a ser publicado no ovelhoblitz.blogspot.com

PS:não sei se foi propositado Gósmica em vez de Cósmica. Mais abaixo aparecem posts de Alexandre Soares e Anamar com o nome truncado para "Aires".

gnid disse...

Deixava a ideia de fazer um (pequeno e curioso) blog com capas de discos em que aparecem os músicos/artistas a fumar. Seria apenas uma pequena provocação.

Além dos que refere lembro-me de um da Amália, outros de Tony de Matos ou Alfredo Marceneiro. Parece-me que a contracapa do "Sonho Azul" também tem o PAM a fumar.

Joy Cardoso disse...

not. é a contracapa do ocidente infernal.

gnid disse...

http://2.bp.blogspot.com/_2r2wvSOxCxM/ScAbTBUzbAI/AAAAAAAAAwo/MgrCa1Qde14/s1600-h/2109.JPG

JC disse...

Caro Discos com Sono,

Antes de mais, muito obrigado pelo blogue e pelo facto de disponibilizar e revelar verdadeiras obscuridades da música Portuguesa.
O único disco com sono dos Heróis do Mar é de facto o "Heróis do Mar IV", que data, penso eu, de 1989. Todos os outros continuam disponíveis em lojas como a Fnac.
Por fim, gostaria de saber se, além do "Heróis do Mar IV", é possível aparecer aqui o "Música Moderna" dos Corpo Diplomático, já que refere que é a melhor coisa que o Pedro Ayres Magalhães fez.

Cumprimentos e continuações de um excelente trabalho,
JC

Discos Com Sono disse...

Olá JC,

Talvez ponha aqui o disco do Corpo Diplomático no futuro. Ainda não o fiz porque o disco já é partilhado no soulseek há bastante tempo, e dei prioridade a discos que nunca foram digitalizados nem partilhados online.

João disse...

sim senhor!

ink disse...

encontrei uma referência ao disco em

http://www.museudoboom.comyr.com/recortes-008.html

Discos Com Sono disse...

ink: fixe, bela descoberta :-)